Juscelino Foi Bossa Nova - Rodrigues Alves Papai Grande

Apoio Cultural - Instituto Histórico e Geográfico de Guaratinguetá (IHGG) - Preservando a História - Memória - Patrimônio de Guaratinguetá - Educação Conhecendo a Comunidade

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Fazenda Pinheiro Velho – Onde Nasceu Rodrigues Alves

Símbolo entre tantas que existiram no município, a fazenda Pinheiro Velho representa num certo sentido a marca de um personagem, por expressar a base inicial da carreira política do Conselheiro Presidente Francisco de Paula Rodrigues Alves. Assim como encerra a vida social e econômica da primeira metade do século XIX quando se tenta acompanhá-la pela escassa documentação existente.
Pelo que se sabe a fazenda Pinheiro Velho, localizada no bairro dos Motas, em Guaratinguetá-SP, tem origem na segunda metade do século XIX, quando possivelmente foi construída pelo Alferes Antônio de Paula e Silva, comerciante, tropeiro e plantador de café originário de Minas Gerais, ali estabelecido com a esposa, de família da vila de Cunha (família Pires Querido, moradora desde o século XVIII naquela localidade).
Na fazenda, segundo o recenseamento das ordenanças, o proprietário cultivava cana-de-áçucar, que exportava para a Corte do Rio de Janeiro e fabricava aguardente negociada na vila e em Paratí. E era entreposto de tropas que vinham da vila de Cunha, com que mantinha intenso comércio graças ao relacionamento familiar.
O casal teve, entre outros, a filha Isabel Perpétua de Marins, casada com o português Domingos Rodrigues Alves, pais do Conselheiro Rodrigues Alves e de seus irmãos, fazendeiros e políticos no município e em outras áreas do Estado de São Paulo.
Domingos Rodrigues Alves, com a ajuda sogro, adquiriu, também, terras próximas da família da sua consorte, passando a ser agricultor e depois comerciante estabelecido no centro da cidade.
Com a morte do Alferes Antônio de Paula e Silva e de sua esposa, como era o costume jurídico da época, a fazenda foi dividida entre os herdeiros, cabendo uma parte a Domingos Rodrigues Alves e ao Coronel José Antônio de Paula e Silva, ficando na família até o inicio do século XX, quando foi adquirida por outros proprietários.
Sua sede, de grande pujança, infelizmente não existe mais.
Joaquim Roberto Fagundes
Foto: Álbum Comemorativo do Centenário de Nascimento do Conselheiro Rodrigues Alves. Acervo do Museu Histórico e Pedagógico Conselheiro Rodrigues Alves, Guaratinguetá-SP

2 comentários:

  1. Ótima idéia, Sr. Joaquom Roberto Fagundes , será que o Sr. tem mais informações a respeito do avô do conselheiro, o Alferes Antonio de Paula e Silva, origens e paradeiro dos filhos?

    Atenciosamente.

    Juliani

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz em ver nossa história sendo levada adiante por meios independentes.
    Acho que a história da nossa cidade, por ser vasta de informações, deveria ser melhor abordada para em questão com a juventude, a mocidade, para podermos sentir orgulho e vontade de conhecer mais e melhor; Tenho tido contato com inumeras pessoas, que são historiadores e conhecedores da nossa historia e fiquei deslumbrado com o amplo acervo de histórias e estórias que nos cercam.
    Termino aqui com meus agradecimentos aos Historiadores que não deixam a história morrer no tempo, quem sabe um dia serei um!

    GABRIEL MAXIMO -Fotógrafo- Guaratinguetaense

    ResponderExcluir